Me tornei vegetariano quando um dia, ao acaso, fui abordado por ativistas na avenida paulista, que há 7 anos organizavam um pequeno movimento sobre difusão dos direitos animais, liderados pelo Fabio Paiva. Foi nesse dia que conheci a Priscila Tessuto e passei a conhecer diversas informações sobre alimentação vegetariana, além de ter contato com a realidade de processos industriais na faculdade com o pessoal de engenharia de alimentos. Em poucos meses, conheci a filosofia vegana, que passou a me tornar um consumidor muito mais crítico. Com o tempo, chegando mais próximo do fim do curso de engenharia química, passei a dar palestras como voluntário a respeito de matérias-primas animais em produtos industrializados e fontes vegetais substitutivas em alimentos / cosméticos. Hoje, vejo o veganismo como uma das fontes primordiais de melhoria do espírito para que minimamente indaguemos à vida alguma forma de felicidade, uma vez que deixamos de agredir ou aceitar o abuso de nossos irmãos animais.

Escreva seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *