Depoimento de Bruno Carmo
Eu gostava muito do sabor da carne. Não achava necessário mudar meus hábitos, pois acreditava no falido argumento da cadeia alimentar. No entanto, como me interessava bastante pela questão da saúde, chegou às minhas mãos um livro sobre câncer, muito bom, chamado “Anticâncer”, que escreveu um médico que teve 2 tumores no cérebro e se curou basicamente modificando seus hábitos. Enfim, nesse livro o autor relacionava seriamente a epidemia de câncer que temos no ocidente ao consumo de carne e frango, além de açúcar e agrotóxicos. Com argumentos muito bons, ele me convenceu a deixar a carne e o frango. Nessa época ainda comia peixe e outros animais marinhos, que eu achava que não sentiam dor. Como que por efeito da diminuição da ingestão de carne, acho que fiquei mais sensível, e comecei a me preocupar mais com a questão do sofrimento animal. Foi aí que assisti “A Carne é Fraca” e “Terráqueos”, quase até o fim. Chorei um monte e decidi que não ia mais comer bicho nenhum. Essa mudança foi simultânea ao meu interesse pelas filosofias orientais, pois bem nessa época eu estava estudando o budismo, que também recomenda o vegetarianismo, e um pouco depois conheci o movimento pela consciência de Krishna, com o qual me identifiquei mais ainda, e que também afirma o vegetarianismo como requisito para que possamos realmente viver uma vida de seres humanos.

Assista o filme “Terráqueos” aqui 

Assista o filme “A Carne é Fraca” aqui

Escreva seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *